Football Manager 2019 – Análise

Preparado para uma nova época no esperado simulador de futebol da SEGA? A Sports Interactive investiu, como de resto o tem de feito de forma contínua anualmente, em mais uma edição de Football Manager. A edição deste ano conta com uma profunda revisão, tentando oferecer uma proposta mais inovadora. Mas será que tudo isso é positivo? É o que vamos decifrar ao longo de toda a análise. 

Football Manager 2020 apresenta um design ainda mais ousado e contemporâneo, algo que já tinha referido que a Sports Interactive estava a introduzir na anterior versão do jogo. Com uma estética baseada nos roxos e uma apresentação clean, tudo parece mais intuitivo e amigável para o utilizador. Uma nova funcionalidade é a de podermos arrastar partes do menu do lado esquerdo para facilitar o acesso às ferramentas que nos são mais úteis, e assim tornar a experiência mais autónoma e agradável. Mas toda esta sensação superficial e user friendly vai terminando pouco a pouco, à medida que vamos explorando os menus detalhadamente. 

Os treinos, assim como as táticas, levaram uma revisão na sua construção, e isso é notório logo desde o início. As táticas pré-fabricadas e as sessões de treino meio que preguiçosas têm os dias contados, o que é algo a que muitos recorrem para se manterem divertidos enquanto jogam. Este pode ser assim um problema, com esta aproximação cada vez mais iminente do simulador à nossa realidade futebolística. É possível agora criar formações e desempenhos individuais para jogadores específicos consoante o adversário que vamos enfrentar, o que acaba por determinar o desempenho da nossa equipa e o quão longe podemos ir com esta. Claro que continua a ser um jogo e toda a tática não corresponde à verdade, mas conhecer bem as ferramentas de FM20 é um passo de gigante se quisermos fazer história nesta epopeia da bola.

Apesar de ser possível comandar os treinos e desenvolvimentos desportivos pelo assistente de Inteligência Artificial, temos a possibilidade de o “controlar” para que este decida quem merece ou não o lugar nos titulares, assim como quem está a evoluir de forma mais destacada, e vice-versa. É uma ferramenta muito útil, até porque podemos e temos a possibilidade de a personalizar de forma totalmente livre, fazendo com que a gestão esta incrivelmente realista neste novo título da SEGA.

O motor de busca é outro dos aspetos melhorados em FM20, apresentando maior precisão e uma melhor análise dos alvos que queremos aliciar. Além disso, são apresentadas novas animações que trazem uma lufada de ar fresco para os fãs de longa data. A cereja no topo do bolo será o licenciamento da Bundesliga (Liga Alemã), que cedeu os seus direitos à série, tornando-se assim num dos mais recentes destaques para todo o público.

Instruir e orientar jogadores é agora mais intuitivo e natural. Não somos necessariamente forçados a trabalhar lado-a-lado com um jogador. É possível nesta iteração da série agrupar os jogadores por equipas de trabalho onde todos ensinam e apredem, de forma coletiva, em equipa. O departamento hospitalar e de apoio físico pelo aos jogadores pelo contrário mantém-se muito idêntico, só sendo necessário interferir caso realmente a lesão exista.

Além de novas ferramentas, a Sports Interactive preocupou-se em tentar angariar novos fãs com a adição da “indução de gestão”, que executa as alterações de cada área específica se ativada no início do jogo, oferecendo uma visão mais geral sobre todo o novo universo da partida. Apesar destas novas inclusões, aconselho todos a verem detalhadamente as opções, apesar de haver alguns aspetos que podem ser enfadonhos por informarem demais, tornando o jogo demasiado complexo e “pesado”.

Mesmo que tudo pareça o mais realista possível, eis que chegamos ao “motor de jogo”, nomeadamente das próprias partidas, onde tudo acontece e as nossas teorias são postas em prática. É aqui que muitos fãs se podem queixar por causa das animações rudimentares e um tanto simplórias com que as exibições chegam até nós. Embora não seja o foco da série, uma melhor apresentação a nível das partidas seria mais do que bem-vinda.

Esta talvez tenha sido a reforma mais radical que a série já viu nos últimos anos, sendo este um momento decisivo para Football Manager. As mudanças são muitas, e algumas só mesmo jogando é que vamos ter a total capacidade de as interpretar corretamente. O jogo, como bom simulador que é, dispende muito tempo a ensinar-nos todos os seus segredos. Tornar os treinos e as táticas mais acessíveis vai fazer com que seja possível atrair um maior número de jogadores para esta nova edição, apesar de ainda ser um jogo bastante complexo e por vezes pouco intuitivo. E para quem não é um grande fã de futebol, chega a tornar-se uma experiência complicada. 

Opinião Final:

Há muito para admirar e para melhorar em Football Manager 2020. É sem dúvida o melhor e mais completo simulador de futebol, que se tem esforçado ano após ano para encontrar um balanceamento entre diversão e realismo, algo que nem sempre acaba por conjugar em “perfeição”. Apesar de todos sabermos que o propósito de um simulador não passa necessariamente pela diversão, acaba por ser um fator que atrai jogadores a uma série que já teve o seu espaço mais definido nesta enorme indústria. As novas mecânicas vierem trazer isso mesmo, novos motivos para novos jogadores, que numa ótima combinação possam trazer este simulador à sua formula plena. Por outro lado, é necessário tentar simplificar ainda alguns aspetos demasiado pesados e complexos que reduzem o tempo útil de vida do jogo a muitos jogadores. No entanto, continua a não haver melhor simulador de futebol, e é portanto um ótimo jogo.

Do que gostamos:

  • Melhor experiência de simulação de futebol;
  • Design exímio e atrativo;
  • Novas funcionalidades;
  • Esforço para tentar simplificar.

Do que não gostamos:

  • Mau aspeto do decorrer do jogo;
  • Falta de licenciamento.

Nota: 8/10