Dungeon Alchemist – Análise

Criação de mapas alimentada por IA, de conveniência automática, a um custo. O bom e o mau desta nova ferramenta de elaboração de mapas. Será que vale a pena?

A 31 de Março, o há muito esperado Dungeon Alchemist foi finalmente lançado no Early Access na Steam. O produto era um projeto Kickstarter que prometia simplificar a criação de mapas e permitir uma geração muito rápida dos mesmos. Basta seleccionar um conjunto de azulejos (cripta, aldeia, etc.) e um tipo de sala com etiquetas claras como o Great Hall, Hallway ou uma Biblioteca. Ao preço elevado de 37.99€, eu queria saber se valia a pena. Mas de facto, neste momento não vale mas, talvez no futuro.

Com outras ferramentas mais baratas de fazer mapas como Inkarnate, Dungeonfog, Dungeon Draft ou mesmo outras soluções grátis, o Dungeon Alchemist precisava de fazer muito para impressionar a este preço. Precisava de fazer o que esses outros sistemas faziam, e muito mais.

A sua premissa básica era automatizar a criação de mapas para jogos online e offline. Será que o faz? Sim em alguns casos, e não noutros.

Se pretendes fazer um mapa para processos de impressão, é obviamente limitado pelo tamanho de mapa que está disponível. Varia desde A1 até aos mapas em tamanho igualmente reduzido com muitas variações no meio, embora permita tamanhos personalizados, o que ajuda a resolver um pouco o problema. Para mesas virtuais online, como o FoundryVTT ou o Roll20, estás restringido pelo poder do teu computador.

Como está em acesso antecipado, a seleção para o teu conjunto de azulejos ou biomas é limitada. Faz criptas e alguns mapas de todo o mundo. Podes gerar masmorras, tabernas e florestas muito rapidamente. Escolhes o tipo de quarto que queres, desenhas um quadrado no mapa, e boom, ele auto-popula o quarto para ti. Podes também desligar a IA se quiseres, e simplesmente cria uma sala do estilo escolhido sem nada nela.

Ao imitar algumas funcionalidades de DungeonDraft e de Wonderdraft, podes especificar o tipo de abordagem básica que pretendes quando gerares o teu mapa inicial. Queres fazer uma ilha uma ilha? Um mapa que tenha um rio? Podes fazer isso, e fazê-lo bem. Qualquer coisa mais específica e já vais ter de lutar. Queres construir uma casa de ópera para o teu encontro inspirado no Final Fantasy 6? Queres ter uma caverna coberta de neve onde um yeti está à espera da tua aproximação? Que tal um covil subaquático do Aboleth? Ainda não. Não podes adicionar segundos andares, e por vezes a UI não sabe porque é que algumas coisas não são possíveis e apresenta apenas um “X” vermelho a dizer “não, vai-te embora”, presumivelmente porque estás a cortar outro pedaço de terreno ou edifício que nem sempre é óbvio. Se não estiver lá dentro, não podes importar coisas, atualmente. Mas, novamente, ainda está em acesso antecipado.

Os mapas que acabas por fazer, que afinal são a estrela do espetáculo, são claros e detalhados. É definitivamente um momento “Uau” quando olhas para um mapa com detalhes 3D gloriosos, com chamas animadas e vários objetos. De repente perde muito do seu brilho quando te apercebes que só podes exportar mapas com uma vista de cima para baixo. Tens a opção de o fazer “full-3D” quando te mostra paredes mais altas renderizadas e fornece profundidade, “partial-3D” que é metade da altura, e depois imagens planas. Tens opções para baixa, média e alta qualidade e cada uma delas apresenta mapas muito legíveis.

Uma grande vitória para o Dungeon Alchemist é a automatização da iluminação e das paredes para importar para FoundryVTT ou Roll20. És capaz de gerar um ficheiro .json, importá-lo para o FoundryVTT e depois carregar o teu mapa e as tuas paredes, portas, janelas e iluminação estão todas feitas.

A capacidade de alterar a hora do dia no software também te permite criar mapas de manhã, meio-dia, noite e noite muito rapidamente, e a iluminação é ajustada. Uma grande poupança de tempo!

As questões permanecem: Porquê apresentá-lo em 3D em primeiro lugar se não existe uma forma real de exportar em vista isométrica ou de alguma forma integrá-lo com alguns módulos da Foundry? Porquê animar os detalhes se não posso exportar para um .mp4 ou algum tipo de mapa animado?

Olhando para o mapa de desenvolvimento, os desenvolvedores listam algumas destas funcionalidades como sendo as próximas a serem lançadas.

Algumas delas são realmente indispensáveis para que o software justifique o seu preço atual. Existem mais opções e muitas delas com mais controlo criativo sobre como fazer os mapas, por exemplo, em Dungeon Drafters por menos de metade do custo a 20€, e com a capacidade de também automatizar a iluminação entre outros efeitos.

Em última análise, se precisares de gerar muitos mapas muito rapidamente para os teus jogos ou para o teu Patreon, e a conveniência é o fator chave para ti, então podes saltar para Dungeon Alchemist e ficar contente com o resultado.

Para qualquer outra pessoa, neste momento, eu diria que seria sensato guardares o teu dinheiro até que os itens do mapa de desenvolvimento sejam entregues ou se houver uma alguma promoção. Continua a ser um bom produto e se o apanhaste pelo preço do Kickstarter, acho que recebeste um produto bem comprado. No seu preço atual, quero que me dê a liberdade de um cartógrafo tradicional com a magia das opções de IA. É demasiado barebone e gastar praticamente 40€ parece questionável no seu estado atual. Estou entusiasmado por ficar de olho nele e ver o seu progresso.

 

Vídeo Gameplay do jogo Dungeon Alchemist. Venham ver, cliquem no vídeo e vejam o nosso gameplay.

Opinião Final:

Dungeon Alchemist tenta marcar em grande a sua presença no mercado de geradores de mapas mas não parece dispor de ferramentas suficientes para conseguir solidificar-se no primeiro lugar que tanto ambiciona, nomeadamente por falta de recursos. Apesar de ser um bom ponto de partida, o preço pedido por esta engine não justifica, para já, o investimento.

Do que gostamos:

  • Criação rápida e intuitiva de mapas dos mais variados ambientes.

Do que não gostamos:

  • Falta de features quando comparado a outros jogos;
  • Preço bastante elevado para o que é oferecido.

Nota: 5/10

Análise efetuada com um código PC cedido gentilmente pela distribuidora.